Puxa-Palavra: Paula Nascimento entrevista Januário Jano (CCBA)

Acontece na próxima quinta-feira (02.08.2018) mais edição do “Puxa-Palavra” no Centro Cultural Brasil-Angola (CCBA), com uma entrevista entre a arquitecta e curadora Paula Nascimento, enquanto entrevistadora, e o artista e curador Januário Jano, como entrevistado. O evento insere-se na exposição internacional “A Língua Portuguesa Em Nós“, que vem de São Paulo, Brasil, para Luanda, por intermédio do CCBA. A exposição pretende retratar e “explorar a história e diversidade” da Língua Portuguesa, e decorre entre os dias 13 de Junho e 3 de Agosto do presente ano, entre as terças-feiras e os domingos, das 10h às 20h, e conta com a coordenação artística do escritor Ondjaki.
Flyer divulgado pela organização. Fonte aqui

A entrada é gratuita, e deixamos aqui a descrição do evento e dos seus protagonistas, extraída na íntegra da página de Facebook do evento:

Januário Jano (1979, Luanda)
Também conhecido como Jano Mcbeeboo, desde muito cedo, desenvolveu o hábito de explorar várias maneiras de criar imagens – pintando murais na rua, recolhendo e recortando jornais e revistas para criar “scrapbooks”, vem, por isso, explorando diferentes formas e tipos de impressão. Concluiu pós-graduação em Estudos de Design na ex-Universidade Guilhell (atual London Metropolitan University), em 2005. O interesse pela estética e cultura, dentro de um contexto social, fez com que seu trabalho se concentre atualmente em pesquisas e estudos sobre estes campos. É curador e Mentor do TEDxLuanda e membro fundador do Colectivo Pés Descalços. Participou de exposições e projetos em Luanda, Paris, Cape Town, Lisboa, Nova Iorque, Milão e Londres, foi também selecionado para a bienal de arte de Lagos (Nigeria) e a de Dakar 2018.

Paula Nascimento
Arquiteta & Curadora Independente.
Mestre em Arquitetura pela Architectural Association School of Architecture e pela London Southbank University. Fundadora da Beyond Entropy África, estúdio de investigação que se debruça sobre os campos da arquitetura, urbanismo, artes visuais e
geopolítica e do Colectivo Pés Descalços.
Co-curadora, com Stefano Rabolli Pansera de Beyond Entropy Angola (13a Bienal de Arquitectura de Veneza, 2012; Making Africa – Design Indaba Cape Town 2015; Constellations.s.habiter le monde, Bordeaux 2016); Luanda Encyclopedic City (55a Bienal de Artes de Veneza, 2013; colecção permanente do Zeitz MOCAA, Cape Town), Ilha de São Jorge (14a Bienal de Veneza de Arquitectura; ICA Londres; Hangar Biccoca Milano; Hangar – Centro de Investigação Artística, Lisboa 2015; Encontres de Bamako Mali – 2015), From Hands to Mind (Experimenta Design Lisboa 2015, XXI Design After Design – Trienal de Milão 2016).
Como curadora independente, participa em projectos como Being and Becoming: Complexities of the African Identity (co-curadoria com Raphael Chikukwa; Unisa Gallery, 2016), Being Her (e): Mediations on African Feminities (co-curadoria com Violet Nantume, Refilwe Nkomo e Thato Magotsi, Joanesburgo e Luanda 2017), Ambundulando (co-curadoria com Suzana Sousa, Luanda 2017), e LUUANDA (co-curadoria com Suzana Sousa, Hangar – centro de Investigação artística em Lisboa, Novembro 2017).
Co-editora da publicação Ilha de São Jorge – Visões desassombradas (BE Books, 2014) com Ana Vaz Milheiros e Stefano Serventi. Tem textos publicados em diversas revistas
e jornais. Foi Júri do Prémio Novo Banco de Fotografia e da Feira de Arte de Joanesburgo em 2016, palestrante em diversas instituições académicas, entre elas a Universidade Metodista de Angola, Universidade Agostinho Neto, Italcementi Research Lab, Politécnico di Milano, Museu de Serralves, Vansa, entre outros. Desde 2012 colabora com a Comissão de Angola para a Expo, tendo participado em projectos como o Pavilhão de Angola na Expo Yeosu Coreia 2012 e Expo Milano 2015 enquanto
Arquitecta/Directora de Projecto.
Actualmente integra o projecto African Mobilities: This is not a Refugee Camp ( Wits University Joanesburgo e Munique 2018) como colaboradora regional.
Galardoada com os prémios Leão de Ouro para Melhor Participação Nacional em 2013 na Bienal de Veneza, Prémio Especial ArcVision Women for Expo (2015) e Prémio Angola 35o Artes e Cultura (2013 e 2016), African Architecture Awards 2017.

Deixar uma resposta

Navegar