Trabalhar com Arquitectos

No mês anterior, disponibilizámos algumas dicas para os alunos recém formados em Arquitectura, de forma a suavizar a transição entre o mundo académico e mundo profissional (ver artigo). Contudo, existe na nossa realidade mais um obstáculo tanto para quem acabou de se formar, como para quem já tem alguns anos de experiência, que é a dúvida comum sobre a necessidade de trabalhar com um Arquitecto.

Em Angola, são recorrentes as dúvidas que se colocam à profissão do Arquitecto, quer seja sobre a sua relevância para o sector construtivo, sobre a necessidade de contratar um Arquitecto, sobre quanto custam os serviços de um Arquitecto, entre outros. O The Sanzala pretende diluir ao máximo todas as questões que têm surgido entre clientes e até mesmo entre colegas de profissão, que poderão encontrar neste artigo, algumas respostas sobre o tema.

Planear. Fonte aqui

O que é um Arquitecto?

O Arquitecto é, até ao momento, em Angola,  o único profissional, oficialmente habilitado e  legalmente autorizado a elaborarar projectos de arquitectura. Existem em outros países do mundo outros profissionais que podem factualmente elaborar projectos de arquitectura e assumir a responsabilidade dos mesmo, não sendo esse o caso de Angola. Sendo por isso protegido pela Ordem dos Arquitectos, que de acordo com os seus estatutos é a única entidade nacional que pode permitir a prática da profissão, atribuindo um número de membro ao profissional recém formado em Arquitectura.

O que faz um arquitecto?

De forma muito resumida, o Arquitecto elabora estudos e projectos relacionados com edificações, assegurando que a satisfação das necessidades de cada cliente será alcançada, de forma criativa e tecnicamente eficaz. Além de edificações, o arquitecto também realiza estudos e projectos relacionados à cidade, às artes, entre outros.

O Arquitecto analisa o projecto no seu todo, resolvendo-o com criatividade e sensibilidade, tendo sempre em conta todas as questões técnicas associadas às edificações e o seu desempenho sustentável. Desta forma, será mais fácil rentabilizar o seu investimento, facilitando-lhe também os processos e tarefas que possa desconhecer.

Porque é necessário um Arquitecto?

O Arquitecto elabora projectos de forma a atingir uma maior qualidade nos espaços da edificação. Poderá apoiar e guia-lo a tomar as melhores decisões, tendo em conta todos os cenários possíveis e soluções mais adequadas. Assim, ajudar-lhe-á a rentabilizar e optimizar todo o seu investimento, garantido a melhor concepção da edificação, com maior efiência energética e consequentemente o menor custo de construção e, posteriormente, de manutenção.

A participação de um Arquitecto é fundamental em todas as fases do seu investimento, do seu imóvel, ou património, quer seja na construção duma moradia, dum hotel, dum conjunto de edifícios, condomínios, ou simplesmente para reabilitar ou remodelar espaços e edifícios já existentes, representando assim uma mais valia para obter os melhores resultados.

Como referido, sendo o Arquitecto o único profissional habilitado , é também o único profissional que poderá assumir a responsabilidade pelo projecto de arquitectura, tendo mesmo que apresentar, para efeitos legais, um Termo de Responsabilidade, para todos os seus projectos. no qual ele assume todas as responsabilidades legais e regulamentares aplicáveis, designadamente, as normas técnicas gerais e específicas de construção, os instrumentos de gestão territorial, o alvará de loteamento ou a informação prévia, quando aplicáveis.

Quanto custa contratar um Arquitecto?

Regra geral, os honorários dos Arquitectos são calculados através duma percentagem sobre a estimativa de custo total da obra. Apesar de não regulamentado em Angola, esta é a melhor e mais transparente forma de cálculo para os honorários. Sendo que o trabalho do Arquitecto representa por si só uma mais-valia, é necessário ter a consciência que uma edificação de qualidade, representará sempre um investimento a médio-longo prazo. Contudo, não deve assumir que “quanto mais caro, melhor”, pois, “quantidade, não é qualidade”.

O Arquitecto irá sempre prezar pelas necessidades dos clientes, assegurando que será tido em conta a melhor relação Qualidade/Preço, no orçamento apresentado.

Arquitecto. Fonte aqui

Quais são as fases do Projecto?

Fase 1 – Programa Preliminar + Apresentação de Orçamento

Na primeira fase o Cliente e o Arquitecto entram em acordo sobre aquilo que será projecto, como número de divisões (quartos, salas, instalações sanitárias, etc.), ou número de pisos, programa geral entre outros, como também os limites orçamentais para a obra. Aqui, devem ser analisadas todas as condicionantes legais, estabelecidas em Plano Director, como por exemplo os requisitos do Plano de Massas. Devem ser também abordados aqui os respectivos prazos para as fases seguintes de projecto e o prazo máximo desejado para conclusão da obra.

Caso exista já, o Cliente deverá entregar ao Arquitecto o Levantamento Topográfico e/ou Geológico da área de implantação, também como o Levantamento Arquitectónico. Caso não existam, o Arquitecto poderá inclui-los nos seus trabalhos, acrescendo assim o valor do seu orçamento, deverá ser o elemento a ser entregue, para que se finalize a Fase 1.

Fase 2 – Estudo Prévio

Nesta fase é desenvolvido o conceito inicial do Projecto, tendo em conta as premissas definidas na Fase 1. Aqui, o Arquitecto apresentará alguns desenhos a diferentes escalas se assim for necessário, sendo opcional a apresentação de maquetas de estudo e/ou simulações tridimensionais do proposto (depende do que foi previamente acordado na fase anterior), de forma a facilitar o entendimento do Projecto ao Cliente.

Aqui, após aprovação conceptual da proposta apresentado pelo Cliente, o Arquitecto poderá dar inicio ao desenvolvimento dos Projectos de Especialidades (Estruturas/Estabilidade, Electricidade, Hidráulica, Segurança contra incêndios, AVAC, entre outros), sempre dentro do que foi inicialmente contratualizado.

Fase 3 – Projecto Base / Licenciamento

Nesta fase, consoante o definido na fase anterior em relação ao Projecto de Arquitectura e considerando já os Projectos de Especialidades, o Arquitecto, sempre após aprovação do Cliente ao proposto, deverá iniciar os pedidos de Licenciamento necessários para construção da obra, em todas as entidades que exigem aprovação legal dos mesmos, como IPGUL, Administração Municipal, ENDE, EPAL, UTGSL, Ministério do Ambiente, entre outros, variando sempre em função do programa do projecto.

Note que além de existirem emolumentos e taxas inerentes a estas aprovações, existe também o tempo necessário para a sua avaliação, pelo que esta fase é crucial para o melhor e mais rápido cumprimento de prazos estabelecidos para o seu investimento.

Fase 4 – Projecto de Exucução / Medições e Orçamento (fim do projecto)

Após a aprovação dos Projectos, pelas entidades reguladoras, o Arquitecto irá elaborar o Projecto de Execução, onde constarão Peças Desenhadas e Peças Escritas, de fácil interpretação a todos os futuros intervenientes na materialização do Projecto, onde serão especificados todos os trabalhos necessários para a execução da obra, enunciando por exemplo os processos construtivos, materiais a usar, carpintarias e serralharias, entre outros.

Em simultâneo, deve ser desenvolvido um modelo de Medições e Orçamentos, onde será descriminada todas as quantidades de materiais a usar durante a obra, tipos trabalho e métodos de exucução dos mesmos, de forma a se poder obter um valor para obra. Após estes documentos, elaborar-se-à o Caderno de Encargos, que apresenta todas as condições técnicas gerais e especiais de construção, sendo posteriormente um documento vinculativo para o Empreiteiro.

Projectar. Fonte aqui

Fase 5 (fase não projectual) – Seleccionar um Empreiteiro

Na fase final, não sendo da obrigação do Arquitecto fazer a escolha do empreiteiro, o Cliente poderá solicitar a colaboração do mesmo para que analise a capacidade técnica dos canditados À execução da obra, tendo em conta sempre o preço e prazo para conclusão dos trabalhos.

Normalmente, nurante toda a obra, o Arquitecto deve estar disponível para esclarecer qualquer dúvida de Projecto que surja e prestar informações que auxiliem a melhor interpretação dos elementos por si elaborados, sendo que estes deverão ser cumprido na íntegra, salvo situações excepcionais que assim não o possibilite, garantindo assim uma excelente obra.

Lembre-se sempre que quanto mais cedo o arquitecto for envolvido no processo, maior será a sua capacidade de actuação e consequentemente, maior qualidade terá o seu investimento.

Obs.: As considerações e elementos apresentados pelo The Sanzala não são vinculativos. Estes, são apenas os conceitos gerais da Profissão e da elaboração do Projecto de Arquitectura, que poderá, eventualmente, variar de Arquitecto para Arquitecto.

Deixar uma resposta

Navegar