Última hora: Arata Isozaki é anunciado como o vencedor do Prémio Pritzker 2019

Foi anunciado há pouco tempo o vencedor do Prémio Pritzker 2019, e este ano o galardoado foi o arquitecto japonês Arata Isozaki. Formado pela Universidade de Tóquio em 1954, Arata Isozaki trabalhou com o arquitecto Kenzo Tange (vencedor do Prémio Pritzker 1987) até criar o seu próprio atelier no ano de 1963. Segundo o antigo crítico e escritor inglês, Reyner Banham, os primeiros projectos da sua carreira foram muito influenciados pelas experiências europeias da altura, com um estilo que vagueava entre o “New Brutalism” e o “Metabolist Architecture”. Durante a sua carreira foi galardoado com vários prémios, entre eles a medalha de ouro do RIBA, em 1986.

Arata Isozaki. Fonte aqui

Fundada por Jay A. Pritzker e sua esposa Cindy, membros da família americana responsável pela cadeia Hyatt Hotel, o prémio arquitectónico, atribuído anualmente, baseia-se nas premissas do Prémio Nobel, sendo por isso considerado o Nobel da Arquitectura. O prémio Pritzker é concedido a um arquitecto (ou grupo de arquitectos) que exiba uma combinação de “talento, visão e compromisso” na sua prática arquitectónica, Philip Johnson arrecadou o primeiro prémio em 1979, seguido de vários arquitectos notáveis, incluindo Frank Gehry, Norman Foster, Oscar Niemeyer, Rem Koolhaas, Siza Vieira e a falecida Zaha Hadid.

Seguem algumas fotos do trabalho de Arata Isozaki, trabalhos seleccionados pelo júri do prémio, e a tradução livre  de um trecho da citação do júri sobre o trabalho do arquitecto.

Biblioteca Central de Kitakyushu. © Arata Isozaki and Associates
MoLA. © Arata Isozaki and Associates
Corte em perspectiva da Biblioteca da Prefeitura de Ōita. © Arata Isozaki and Associates

Arata Isozaki, nascido em Ōita, na ilha de Kyushu, no Japão, é conhecido como um arquiteto versátil, influente e verdadeiramente internacional. Estabelecendo sua própria prática na década de 1960, Isozaki tornou-se o primeiro arquiteto japonês a forjar uma relação profunda e duradoura entre o Oriente e o Ocidente. Possuindo um profundo conhecimento da história e teoria arquitectónica, e abraçando a vanguarda, não apenas reproduziu o status quo, como também o desafiou. E em sua busca por uma arquitectura com significado, criou edifícios de grande qualidade que até hoje desafiam categorizações, reflectem sua constante evolução e estão sempre actualizados em sua abordagem.

Biblioteca da Prefeitura de Ōita. © Yasuhiro Ishimoto
Biblioteca da Prefeitura de Ōita. © Yasuhiro Ishimoto
Biblioteca Central de Kitakyushu. © FUJITSUKA Mitsumasa

Ao longo de mais de 50 anos Arata Isozaki de prática arquitectónica, teve um impacto na arquitectura mundial, através de seus trabalhos, escritos, exposições, com a organização de importantes conferências e participação em júris de concursos. Ele apoiou muitos jovens arquitectos de todo o mundo a ter uma chance de atingir seu potencial. Em projectos como o Fukuoka Nexus World Housing (1988-1991) ou o programa Machi-no-Kao (“face da cidade”) da Prefeitura de Toyama (1991-1999), convidou jovens arquitectos internacionais para desenvolver projectos catalíticos no Japão.

Salão do Centenário de Nara. © Hisao Suzuki
Salão Sinfónico de Xangai. © Chen Hao
Edifício “Tsukaba Center”. © Arata Isozaki and Associates
“Domus: La Casa del Hombre”. © Hisao Suzuki
Parque Cerâmico Mino. © Hisao Suzuki
“Domus: La Casa del Hombre”. © Hisao Suzuki

Amanhã (06.03.2019), o The Sanzala fará uma artigo especial sobre a vida e obra de Arata Isozaki, mantém-te atento.

Deixar uma resposta

Navegar